Corretor de imóveis e a importância da persuasão.

15

 

Persuadir é o processo de influenciar o modo de pensar e além de mostrar ao comprador em potencial os benefícios de um imóvel, é preciso usar destes artifícios como forma de persuasão para conseguir de fato finalizar uma boa venda onde o corretor e o cliente saiam satisfeitos do processo.

Para persuadir, o corretor de imóveis precisa:

• Causar uma boa primeira impressão;

• Desenvolver uma atitude positiva;

• Compreender inteiramente as necessidades e os objetivos do cliente;

• Escutar e promover um dialogo bilateral;

• Lidar apenas com as características do imóvel que interessam ao cliente;

• Encorajar o cliente e lidar abertamente com a sua resistência.

Itens indispensáveis para a boa apresentação do corretor.

14

 

• Use trajes adequados;
• Tenha cartão de visita. Não há situação mais inconveniente que escrever seu contato em papel comum;
• Mantenha sempre mãos e unhas com boa aparência;
• Evite usar canetas simples, use algo mais arrojado e passará mais confiança;
• Sempre olhe nos olhos do cliente, isso passará confiança. Jamais use óculos de sol ao falar com ele;
• Cuidado com “cabelos da modinha”, clientes mais conservadores podem ter uma má impressão disso.
• Seja organizado e sucesso!

Corretor, conheça os benefícios de usar um Smartphone.

13

 

Os tempos são outros. No início da profissão, agendas físicas eram muito utilizadas, e não é errado fazer o seu uso.

Com a modernidade, uma agenda virtual oferece mais benefícios comparada a agenda física. É dinâmica, de fácil edição, pode ser vista a qualquer hora em um smartphone, computador e qualquer outro dispositivo com internet.

Além disso, o smartphone oferece outras vantagens que veremos a seguir.

Ele oferecerá:

• Agenda;

• Fotografias;

• Envio de e-mails;

• Acesso a redes sociais;

• Pesquisas no Google;

• Acesso ao GPS;

• Envio de torpedos;

• Acesso a notícias;

• Telefone.

Como vimos anteriormente, o smartphone oferece uma série de benefícios. Apenas tome cuidado com tantos benefícios, evite distrações e a consequente perda de tempo, seja responsável. Ao atender um cliente pessoalmente, dê atenção a ele, não se distraia com o aparelho!

Oito regras de ouro para poupar dinheiro na construção

12

 

1. Questione os projetos: Não tenha vergonha de questionar qualquer coisa que você não entenda.  O projeto de gesso, por exemplo, pode ser cheio de rebaixos e sancas, mas se você der uma  simplificada a economia pode ser grande;

2. Faça vários orçamentos e negocie: A compra dos materiais deve ser realizada de forma planejada. Faça orçamentos em vários fornecedores e compre o maior número de itens possíveis de uma só vez. Assim, você consegue negociar desconto e prazo para pagamento. Caso não haja espaço para guardar tudo é só solicitar que a entrega seja feita parcialmente.

3. Fique de olho na escolha dos acabamentos: Nem sempre o mais barato ou o mais caro é o mais indicado. Conheça, pesquise, visite lojas e pergunte para os profissionais o que utilizar. O material tem que estar adequado ao uso (por exemplo, no quintal use piso áspero). Um orçamento de mármores e granitos pode sair pela metade do preço dependendo da pedra escolhida. Fique atento! Verifique se as propriedades do material escolhido correspondem ao resultado que você quer ter.

Itens como pisos, azulejos, luminárias, maçanetas de porta podem variar muito de preço. Há vários modelos com preços e acabamentos bem variados. Amplie suas opções.

4. Pense verde: Além do custo de construção, você deve pensar no que vai gastar depois, quando for morar. Alguns materiais sustentáveis podem custar um pouco mais caro, mas farão você economizar dinheiro nas contas de energia e água. Luminárias eficientes, com lâmpadas LED, e torneiras economizadoras, ou com arejador na ponta (para espalhar e usar menos água) são investimentos que valem a pena porque ajudam a reduzir suas contas.

5. Escolha bem os profissionais que farão os serviços para você: Ha duas regras básicas para não errar feio com contratação do prestador de serviço: checar as referências e entrevistá-lo antes de contratar. A entrevista não é uma prova para testar o profissional; é mais uma conversa para ver se vocês se entendem para fazer sua reforma juntos.

6. Faça você mesmo: Se você tem tempo e algumas habilidades (só você sabe quais!), vale a pena um esforço extra e fazer você mesmo algumas partes da obra, principalmente se isso significa a diferença entre ser capaz de pagar o seu projeto ou ter que cortar as coisas que você realmente queria.

7. Faça somente o necessário  ou planeje em etapas: Em construção, mais metragem quadrada é igual a mais dinheiro. Pense sobre o tamanho do seu projeto e pergunte-se sobre quanto espaço você realmente precisa.  Cuidado com o “já que eu vou fazer isso…”. Seja racional para tomar as decisões e não se empolgue com novidades e coisas bonitas se elas não estão dentro dos seus planos, nem do seu orçamento. Fique atento para que o tamanho da obra e os custos não fujam do seu controle.

8. Prefira contratar um arquiteto ou engenheiro: O orçamento pode ser curto, mas contratar um técnico é uma maneira inteligente de ser eficiente na sua obra. Especialmente se a obra que você pretende executar pode colocar sua vida ou a estrutura da construção em risco, chame um arquiteto ou um engenheiro. Caso contrário, você pode ter mais dor de cabeça do que economia.

Tire 10 dúvidas sobre declaração de imóvel no imposto de renda

11

 

1- Como declarar o imóvel adquirido em 2013 no Imposto de Renda?

Todas as aquisições de imóveis em 2013 devem constar na declaração do Imposto de Renda, inclusive os adquiridos por meio de “Contrato de Gaveta” (quando o contrato de compra e venda não é registrado no cartório).

Na “Declaração de Bens e Direitos”, o mutuário deve incluir todos os detalhes sobre a propriedade, como endereço, metragem, número da matrícula e o Cartório de Registro de Imóveis, nome do vendedor com o CPF ou CNPJ entre outros e informar apenas o valor pago no ano vigente. Mas se o bem foi adquirido nos anos anteriores, basta importar a declaração antiga.

Também não se deve esquecer de informar o quanto pagou, no ano de 2013, de parcelas e prestações na compra do imóvel financiado e indicar o(s) credor(es) com o CNPJ e o saldo devedor. São informações valiosas para demonstrar que o imóvel não foi comprado à vista o que geraria no aparecimento de rendimento bem maior.

2- Qual valor deve ser declarado para o imóvel?

Se o imóvel foi adquirido após 1988, os custos de acréscimos da obra deverão constar da declaração, ou seja, reformas de ampliação da casa e benfeitorias dentro imóvel, juntamente com preço da propriedade que consta da escritura. Esses dados devem ser inseridos na coluna “Discriminação”. É importante descrever a reforma e o valor gasto, como também guardar todos os recibos e notas fiscais por cinco anos, para a comprovação do custo da obra. Sempre observando que esses valores declarados devem estar dentro do limite das “rendas líquidas” dos anos anteriores e do ano-base.

Para os imóveis adquiridos a partir de janeiro de 1996, o aconselhável é utilizar como referência os dados da escritura ou do contrato na “Declaração de Bens e Direitos”.

3- Como proceder se houve a utilização do FGTS para quitar ou comprar um imóvel?

Nos casos da utilização do FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, seja para quitar ou comprar a casa, o valor deve ser colocado em “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”. Como também deve ser deduzido da ficha “Bens e Direitos”. É necessária a sua inclusão para a comprovação do aumento do patrimônio do contribuinte.

4- No caso da pessoa física que vendeu a casa e não conseguiu comprar outro imóvel no prazo de 180 dias?

Na declaração do IR, essas informações devem ser especificadas no campo “Ganhos de Capital”. Na ficha deverá conter o valor da venda, o nome do comprador e a data da transação, além do valor do bem informado na declaração anterior para calcular o ganho efetivo. Se o valor da venda for utilizado para a compra de outro imóvel dentro do prazo de 180 dias, o contribuinte ficará isento de imposto pela transação. Caso contrário, deverá recolher o imposto No que tange os rendimentos oriundos da venda de imóveis, haverá a incidência de uma tributação especial: o imposto de renda sobre o ganho de capital.

Este tributo incide sobre a diferença positiva entre o valor de venda do imóvel e o seu valor histórico – o valor que consta na declaração do contribuinte como sendo o valor e compra do imóvel. O imposto de renda é apurado aplicando-se uma alíquota de 15% sobre o lucro resultante das operações de compra e venda.

Importante: O imposto de renda sobre o ganho de capital deve ser apurado e pago de forma separada do imposto de renda incidente sobre os outros rendimentos tributáveis.

5- É possível reduzir o lucro obtido com a venda do imóvel no valor total do IR?

Existem algumas maneiras para tentar reduzir o valor total de imposto de renda a ser pago pelo contribuinte sobre o lucro obtido com a venda do imóvel:

• Quando o imóvel foi adquirido há muitos anos, é possível corrigir o valor de compra desse imóvel utilizando os índices de correção previstos em lei.
• É possível adicionar ao custo de aquisição todas as melhorias realizadas no imóvel.
• É possível deduzir da base de cálculo o valor da taxa de corretagem paga pela intermediação do negócio.

6 – Quais contribuintes estão isentos do IR?

Estão isentos os contribuintes:

• Cujo ganho de capital com a venda de imóvel tenha sido igual ou inferior ao valor limite de R$ 35 000.
• Que venderam o seu único imóvel por um valor máximo de R$ 440 000, desde que não tenham vendido qualquer outro imóvel nos últimos cinco anos.
• Cujo imóvel tenha sido desapropriado pelo Poder Público Federal, Estadual ou Municipal. Mesmo que haja ganho de capital, considera-se que tal lucro meramente recompôs o patrimônio do desapropriado, assim como lhe proporciona justa indenização não sujeita a tributação pelo imposto de renda.

7- Como proceder em situações em que o saldo devedor do financiamento do imóvel é quitado em decorrência de invalidez permanente ou falecimento do mutuário?

O valor não deve ser tributado no Imposto de Renda já que no contrato na compra da propriedade estão garantidos tanto os seguros “Morte e Invalidez Permanente” (MIP) como o de “Danos Físicos ao Imóvel” (DFI). Para isso, informe na ficha “Rendimentos Isentos e Não-Tributáveis” o valor pago da apólice pela seguradora. Já na ficha “Bens e Direitos” deve constar o valor somado do saldo anterior das parcelas quitadas ao do saldo devedor pago pela seguradora.

8- Na hipótese em que o mutuário comprou o imóvel por meio do contrato particular ou de gaveta, como a transação deve ser declarada?

Esse tipo de contrato é válido para comprovar a aquisição. Junte o valor do contrato na “Declaração de Bens e Direitos”, inclusive do imóvel comprado na planta.

9- De que modo fazer a declaração do IR de imóveis comprados por meio de consórcio?

Há duas formas para fazer a declaração do IR de imóveis adquiridos por meio de consórcio: se a propriedade foi contemplada em 2013 deve-se inserir os dados no código 95 da “Ficha Bens e Direitos”. Nela deve ser discriminado o bem recebido, seus dados e do consórcio. Se não for contemplado, mesmo assim o contribuinte deverá informar à Receita o valor investido no consórcio.

10- Como declarar bens recebidos por herança?

A declaração deve ser feita em nome da pessoa falecida, utilizando os dados da última declaração realizada por ela, ou indicar o valor que está na partilha. Também devem ser informados os dados e a forma de aquisição da propriedade, além de indicar a parte que cabe a cada um dos familiares na partilha. Essas informações devem constar na coluna “Discriminação”.

Veja dicas para evitar erros na instalação do piso vinílico

10

 

Piso vinílico pode ser utilizado em qualquer ambiente?

Sim, em qualquer ambiente interno, mas cuidado: compre o produto para o uso específico. Para o banheiro ou cozinha existem algumas linhas específicas. Ele não é recomendado para áreas externas, porque o sol desbota o pigmento que dá cor ao material.

Como é a instalação?

Fácil, rápida e limpa, mas o material exige que a base (contrapiso) esteja sem nenhuma imperfeição. O contrapiso, que fica sob o piso, precisa estar limpo, liso, firme, seco e nivelado. O instalador normalmente avalia as condições do contrapiso e, se for preciso, ele vai indicar uma eventual correção.

Antes de instalar, aplica-se sobre o contrapiso uma massa niveladora feita de uma mistura de cimento e cola PVA. Essa informação é apenas para você controlar o trabalho do instalador e ver se ele está usando o material correto.

As placas e réguas podem ser instaladas pelo morador, mas é importante que um técnico avalie se a base está boa. A ABNT recomenda que as mantas sejam instaladas por mão de obra especializada, pois as emendas exigem equipamento profissional.

Posso instalar o vinílico sobre outro piso?

Só se for sobre cerâmica, porcelanato ou cimento queimado. Mas atente-se e veja como deve ser a instalação sobre cada um deles.

Se o piso que já estiver lá for cerâmica ou porcelanato, basta passar primeiro a massa niveladora, para que as imperfeições e juntas do piso (rejunte) não apareçam no revestimento flexível.

Se a cerâmica ou o porcelanato forem do tipo brilhante, antes da massa niveladora será usado um primer para melhorar a aderência à base.

No caso de uma base de cimento queimado, muito lisa, a etapa inicial do serviço é picotar o chão para a massa niveladora aderir.

Piso vinílico pode ser lavado?

Sim, mas não pode ficar submerso na água, exceto os próprios para cozinha e banheiro. A limpeza do dia a dia é feita com vassoura de pelo ou rodo com pano úmido. E para a faxina pesada, pode-se usar detergente neutro ou cera para dar brilho.

Não pode – Se o piso existente for de madeira ou laminado, eles terão que ser retirados, já que, como são naturais, podem apodrecer e estragar o piso novinho (nem pensar num pepino como esse, né?).

Se for carpete, também será preciso retirar antes.

Dica importante – Se você estiver pensado em colocar vinílico colado sobre outro piso, lembre-se de que provavelmente não será possível preservar o piso original. Quando você o retirar, a cola usada na instalação provavelmente terá prejudicado o piso que estava embaixo. Se quiser voltar a exibir o piso anterior e se o vinílico for para ficar apenas por um tempo – como no caso de um aluguel, por exemplo, em que você tem que devolver a casa com o piso que estava – é melhor optar por réguas vinílicas de encaixe.

Entre no clima do Natal com itens de decoração divertidos

9

 

O Natal é uma das festas que mais provoca mudanças nos lares brasileiros. Isso porque a data possui uma decoração única e especial, que pode ser montada com luzes, flores, brilho e cor.

lém dos enfeites natalinos comuns, algumas lojas resolveram apostar em itens mais inusitados, com um capacho para a porta de entrada e até um espelho no formato de árvore de Natal.

Também é possível encontrar adesivos de parede estampados de Papai Noel e almofadas personalizadas.

Confira abaixo mais detalhes sobre esses produtos e onde encontrá-los:

capacho arvore

Capacho de árvore de natal vendido pela loja O Segredo de Vitório

 

almofadas natalinas

Almofadas natalinas da loja Casa de Valentina

 

cofre rena

Cofre em formato de rena da loja Imaginarium

 

bolinhas de natal

Bolas para a árvore de natal da loja Coisas da Doris

 

anjinho trico

Enfeite natalino da Tok & Stok

 

Crie uma guirlanda de baixo custo com produtos reciclados

8

 

Antes de começar, você precisa de: papelão, tinta acrílica na cor verde, tinta spray na cor dourada, um tecido natalino em algodão, tesoura de picote, transferidor, linhas vermelha e amarela, feltro vermelho, tampas de embalagens de vidro, cola bastão, cola quente e fita de cetim.

Agora que você já sabe o que precisa ter para fazer a guirlanda, confira o passo a passo abaixo e decore sua casa para o Natal.

Recorte dois papelões com 30 centímetros de diâmetro (use o transferidor para fazer o desenho), sendo o círculo interno com 20 cm. Após o recorte, pinte os papelões com tinta verde acrílica e cole uma na outra

Recorte dois papelões com 30 centímetros de diâmetro (use o transferidor para fazer o desenho), sendo o círculo interno com 20 cm. Após o recorte, pinte os papelões com tinta verde acrílica e cole uma na outra

 

Separe cinco tampas de molho de macarrão em vidro e pinte com a tinta spray dourada

Separe cinco tampas de molho de macarrão em vidro e pinte com a tinta spray dourada

 

Pegue o tecido em algodão natalino, recorte os enfeites, como o Papai Noel, árvore e a bota e cole na tampa com cola bastão

Pegue o tecido em algodão natalino, recorte os enfeites, como o Papai Noel, árvore e a bota e cole na tampa com cola bastão

 

Pegue um tecido de patchwork de algodão, de Natal, e recorte duas faces (12 cm X 12 cm) com tesoura de picote. Recorte um papelão (8 cm X 8 cm), coloque entre as duas faces e cole com cola bastão. Faça o mesmo processo por cinco vezes

Pegue um tecido de patchwork de algodão, de Natal, e recorte duas faces (12 cm X 12 cm) com tesoura de picote. Recorte um papelão (8 cm X 8 cm), coloque entre as duas faces e cole com cola bastão. Faça o mesmo processo por cinco vezes

 

Agora, costure as duas faces do tecido com linha vermelha

Agora, costure as duas faces do tecido com linha vermelha

 

Recorte duas faces do feltro vermelho, em forma de coração, também com tesoura de picote. Recorte um papelão no mesmo formato e coloque no meio dos dois. Costure os tecidos com linha amarela. Faça o mesmo processo por quatro vezes

Recorte duas faces do feltro vermelho, em forma de coração, também com tesoura de picote. Recorte um papelão no mesmo formato e coloque no meio dos dois. Costure os tecidos com linha amarela. Faça o mesmo processo por quatro vezes

 

Pegue a tampa com o enfeite e cole no tecido quadrado já costurado, com cola quente. Aproveite e faça um laço com fita de cetim vermelha e cole

Pegue a tampa com o enfeite e cole no tecido quadrado já costurado, com cola quente. Aproveite e faça um laço com fita de cetim vermelha e cole

 

Agora pegue os enfeites que você já produziu e cole na base da guirlanda, também com cola quente

Agora pegue os enfeites que você já produziu e cole na base da guirlanda, também com cola quente

 

Para finalizar, cole um laço no topo da guirlanda e pronto, seu enfeite para porta está finalizado

Para finalizar, cole um laço no topo da guirlanda e pronto, seu enfeite para porta está terminado

10 presentes de Natal para decorar o lar que custam até 15 reais

7

Pensando em ajudar você a presentear mais pessoas neste Natal com menos dinheiro, selecionamos algumas sugestões:

Para jovens:

Adesivo de Parede Filme Negativo, que pode ser customizado, custa R$ 14,90 na Mobly (Fotos: Reprodução)

 

Para a vovó:

Caneca de porcelana do Magazine Luiza custa R$ 7,90

 

Para senhoras/ donas do lar: 

Porta velas da Etna custa R$ 9,90 cada

 

Para homens, jovens ou adultos: 

Porta-copos magnético custa R$ 14,95 (conjunto) na loja online Mulher, Cerveja & Futebol (6 peças com 9 cm de diâmetro)

 

Para crianças:

Luz noturna infantil da Kallunga sai por R$ 10,90 cada

 

Para garotas/adolescentes:

 

Kit com 12 mini espelhos de borboletas (4,5 cm cada) é vendido por R$ 12,90 na loja Bem Colar

 

Para uma pessoa que adora conhecer lugares diferentes: 

 

Pôster de parede (61 cm x 91 cm) custa R$ 7,00 na All Posters

 

Para colecionadores:

Boneca japonesa (11 cm) vendida pelo Shopping Oriente por R$ 13,90

 

Para os fãs da criatividade e dos objetos inusitados: 

Forminha de gelo com formato de bigode da Rojemac custa R$ 15

 

Para quem espalha recadinhos pela casa: 

 

Imãs da Tok Stok saem por R$ 7,90 na loja e R$ 8,50 no site

 

Saiba como refrescar sua casa para enfrentar o verão

6

 

O verão está se aproximando e, com ele, as altas temperaturas. Se você estiver prestes a construir ou comprar sua casa, pode ficar atento a algumas dicas que devem ser observadas para deixar seu imóvel mais fresco e saudável.

Aí vai uma dica primordial: Os quartos devem voltados para o sol da manhã, no lado norte, têm ambiente mais saudável, pois o sol tem efeito germicida. Além disso, eles ficam mais arejados à noite!

– Durante o projeto de construção de uma casa, estude a ventilação nos quartos. Pode-se dimensionar o brise-soleil (expressão francesa que significa literalmente quebra-sol), um dispositivo arquitetônico usado para impedir a incidência direta de raios solares no interior do imóvel. É um recurso natural bonito que direciona a ventilação para dentro do ambiente. Com ele, pode até não ser necessário o uso de ar-condicionado.

– Quem tem jardim em casa pode colocar árvores, pois geram sombra agradável.

– Persianas também ajudam a controlar incidência de sol e de ventilação. Além de decorativas, são funcionais.

Ar-condicionado – Para as casas menores, geminadas, onde há falta de claridade e de área verde, normalmente existe a necessidade de colocar um aparelho para auxiliar na ventilação e refrigeração dos ambientes. Nesse caso, o mais indicado é o uso de ar-condicionado.